Clube Jurídico do Brasil

Direitos autorais Maceió, Alagoas

"A cessão do direito ao nome por quem não é o criador da monografia é sem dúvida nulo e crime", afirma o analista judiciário João Paulo de Castro. Ele disserta sobre a compra e venda de monografias. Confira seus argumentos sobre os direitos autorais e o artigo 184 do Código Penal. Consulte a lista de especialistas da área, em Maceió.

Costa e Luna Advogados
(82) 3221-9593
Avenida Deputado Humberto Mendes 796 s 46
Maceió, Alagoas
 
Cordeiro e Gouveia Advogados
(82) 3336-2568
Avenida da Paz 1388 s 411
Maceió, Alagoas
 
Cleantho M Rizzo
(82) 3221-3486
Rua da Alegria 251
Maceió, Alagoas
 
Motta e Soares & Consultoria
(82) 3313-4649
Tv Humberto Mendes 796 s 51
Maceió, Alagoas
 
Antônio Braz & Vanya Maia Advogados Associados
(82) 3372-6010
Rua Bacharel Floriano Ivo 195
Maceió, Alagoas
 
Thelio o B Leitão
(82) 3221-4715
Rua Doutor Pontes de Miranda 42 sl 627
Maceió, Alagoas
 
José Cordeiro Lima
(82) 3221-4035
Rua do Livramento 509
Maceió, Alagoas
 
Atribut
(82) 3326-1854
Avenida da Paz 1388 s 503
Maceió, Alagoas
 
Eli G L Albuquerque
(82) 3221-8654
Rua Bacharel Floriano Ivo 174 s 2
Maceió, Alagoas
 
Cláudio Bezerra Dias
(82) 3351-4508
Rua Dias Cabral 194
Maceió, Alagoas
 

Direitos autorais

Artigos e Resumos Segunda, 30 de Novembro de 2009 22h24 JOÃO PAULO RODRIGUES DE CASTRO: Analista judiciario do STJ, ex-tecnico da Procuradoria Geral da Republica
A+   |   A- Compra e venda de monografia - Autor: João Paulo Rodrigues de Castro

João Paulo Rodrigues de Castro

1-CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

A expressão “compra e venda” de monografia não é adequada. Primeiro, porque gera a falsa compreensão de que somente a transferência onerosa do direito autoral de nominação [I] da obra a terceiro é um problema. Se a monografia presta para medir o conhecimento de quem a escreveu, a apresentação de obra alheia como própria é uma artimanha, não importa se o estudante pagou ou não pelo uso do direito de nominação. Segundo, porque a compra e venda, tal como a doação e a permuta, é espécie de alienação, que significa transferência de coisa. Parece bastante claro que o negócio envolvendo monografias não gera transferência de coisa, da obra materializada em meio físico ou virtual. Alienação há, por exemplo, na aquisição de livro num sebo. Nesse caso há negócio de “compra e venda”, indiscutivelmente lícito, em que se transfere onerosamente coisa (a criação intelectual num suporte físico). Por outro lado, quem negocia o uso de por o nome em obra que não criou está fazendo negócio com direito [II] . No caso, o objeto do negócio é o direito moral do autor de por o nome em sua obra [III] . Por conta disso, já afirmaram, em observação que vale para qualquer negócio envolvendo direito, que não se vendem direitos autorais, nem se doam, nem se permutam. Transferem-se por cessão [IV] .

É preciso distinguir ainda a cessão do direito ao nome por quem não criou da que é feita pelo o autor da obra. Só o segundo negócio jurídico interessa. Aquele negócio jurídico é sem dúvida nulo e crime. A nulidade não se configura, no caso, pela cessão direito de terceiro – o que caracterizaria ineficácia – mas pela impossibilidade de algum dia o cedente adquirir o direito de por o nome em obra criada por outrem. Trata-se de negócio jurídico com objeto impossível, e, por isso, nulo (art. 166, II, do CC). Além do ilícito civil, a cessão de obra de terceiro é crime previsto no artigo 184 do Código Penal, já que se trata de utilização de direito autoral sem autorização do autor (violação) .

Já a cessão do direito ao nome pelo própri...

Clique aqui para ler este artigo no Portal ClubeJus

© 2007-2010 Clube Jurídico do Brasil - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ClubJus