Clube Jurídico do Brasil

Financiamento de carro Brasília, DF

Examine as regras para a compra de veículos à prazo. Conheça as modalidades de financiamento de carros. Saiba sobre a aplicação de juros e outros termos fundamentais do contrato. Confira também, a relação de financeiras, em Brasília.

Advocacia Jair Ximenes
(61) 3224-9390
SAUS Q 1 BL M s 403
Brasília, DF
 
Medeiros & Souza Advocacia
(61) 3327-3923
SRTVN LT P qd 701 bl A s 436
Brasília, DF
 
Consultoria Jurídica Danielle Bastos Moreira
(61) 3223-0090
SCS Q 2 BL A s 309
Brasília, DF
 
S o de Castro e Castro Adv e Consultores
(61) 3226-0155
SAUS Q 6 BL K s 701
Brasília, DF
 
Augusto Villela
(61) 3322-4295
SCS Q 1 BL K s 1401
Brasília, DF
 
Cortes e Zupiroli Advogados Associados
(61) 3323-2294
SCS Q 4 BL A - 1
Brasília, DF
 
Azevedo Sette Advogados
(61) 3035-1616
SCS Q 1 BL H - 14
Brasília, DF
 
Gherardi Raeffray Advocacia
(61) 3202-6203
SRTVS bl C s 315 s 317
Brasília, DF
 
Emerenciano Baggio e Associados Advogados
(61) 2195-9400
SRTVS Q 701 bl C cj D
Brasília, DF
 
Adilson Brito & Vitória Amélia Advogados Associados
(61) 3322-2930
SHS Q 6 BL C s 1706
Brasília, DF
 

Financiamento de carro

Quem necessita de um veículo para o trabalho, muitas vezes não dispõe do capital necessário para sua compra à vista, optando por comprá-lo a prazo.

Neste cenário, as opções que surgem são o Leasing, o CDC e o Consórcio. No Leasing o banco compra um veículo e o aluga com opção de compra ao final do contrato. No CDC o banco empresta o dinheiro para a compra do veículo. No Consórcio um grupo de pessoas compra um ou mais veículos por mês, até que todos do grupo tenham seu veículo.

Em todas as modalidades, o veículo é dado em garantia da dívida, numa operação chamada de alienação fiduciária, onde caso a pessoa fique inadimplente, o veículo é retomado pelo banco ou administradora do consórcio e leiloado para o pagamento do débito.

Ocorre, na prática, que os bancos e administradoras de consórcio costumam praticar algumas ilegalidades nestes contratos.

No Leasing, é comum se exigir o pagamento de uma “entrada”, bem como o pagamento antecipado da opção de compra. Ou seja, o correto seria pagar somente as parcelas de aluguel do veículo, sem qualquer valor de entrada e sem qualquer, ao final, se a pessoa quiser ficar com o veículo, vai pagar de 20 a 25% do preço dele como opção de compra, valor este que já deve estar determinado no contrato. Este proceder dos bancos já foi reputado ilegal pelo STJ – Superior Tribunal de Justiça, que determina a descaracterização do contrato para compra e venda a prazo, onde a pessoa pagará o valor do veículo à vista, mais correção monetária pelo INPC e juros de 1% ao mês. Esta decisão é recente e reduz em 30% ou mais a dívida.

Já no CDC, o banco está efetivamente emprestando um dinheiro para a compra do veículo. A ilegalidade mais comum neste tipo de contrato é a cobrança de juros superiores ao limite legal de 12% ao ano, bem como a capitalização de juros. Só a capitalização de juros traz um aumento de 10% no preço final do veículo. No STF – Supremo Tribunal Federal há muitos anos que se reputa ilegal a capitalização de juros, havendo até súmula 121 sobre o assunto.

Já no Consórcio, como dito acima, um grupo de pessoas se reúne e compra um ou mais veículos por mês até que todos tenham o veículo. A administradora do grupo cobra uma taxa de administração que vai de 10 a 20% do valor do bem. Este tipo de contrato é o que menos problema apresenta, pois as hipóteses de abuso se restringem aos juros e multas que são cobrados pelo atraso no pagamento...


Continue sua leitura em Clube Jurídico do Brasil

© 2007-2010 Clube Jurídico do Brasil - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ClubJus